Pós-F, de Fernanda Young

Pós-F, de Fernanda Young

No seu primeiro livro de não-ficção Pós-F, Fernanda Young percorre vários temas como o feminino, o masculino, e pós-feminismo, entre outros.

Pós-F Fernanda Young

Não criei expectativas, pois nunca tinha lido nada dela. Porém, confesso que conhecer a Fernanda Young por esta obra talvez não tenha sido uma boa idéia.

O que não gostei foi o quão breve ela foi no geral, e certas opiniões poderiam render muito mais, principalmente quando se trata de uma nova perspectiva sobre um assunto polêmico. Não é só soltar uma opinião e correr, né?

Senti hesitação, o que é compreensível, pois sabemos que certos tópicos só de fazer uma pergunta pode render cancelamento, porém um escritor não pode se esquivar de fazer as tais perguntas difícies e explanar como e porque pensa assim.

Tem também uma hesitação em ir fundo nos particulares, um deles é quando ela diz que “foi muito prejudicada”, por exemplo. Senti como se tivesse chegado no meio do segundo tempo do jogo e não faço a menor idéia do que ela esta falando, já que ela não explicou bem o porque se sentiu prejudicada. Talvez o requisito para entender seja conhecer sua biografia, ou ter lido seus outros livros, conhecer seus anos no Saia Justa, mas para alguém que apenas a conhece como a co-autora dos Normais, confesso que fiquei boiando, como diziam nos anos 80.

Aqui minha crítica é que cada livro deve ser sua própria cápsula para que seja lido, sentido e absorvido por si só.

O ensaio sobre viver numa sociedade onde não precisamos mais do feminismo, onde somos vistos e respeitados independente do gênero, ah, é sonho de vida, claro, mas infelizmente não estamos nem perto disso, e querer queimar etapas não vai nos fazer chegar neste ideal mais rápido. Achei ingenuidade.

Concordo que certas vertentes do feminismo extrapolam e geram polarização, mas não devemos usar esses extremos de qualquer movimento para julgar o movimento inteiro.

Aliás, isso me lembra um excelente artigo que li recentemente sobre a “sensação” que muitos de nós temos — e que as mídias sociais reforçam — de que uma idéia que viraliza na internet se traduz em aceitação geral IRL.

Nossas bolhas no Twitter, Instagram e FB formam uma visão distorcida de mundo e da opinião das pessoas, muitas vezes criando problemas onde eles não existem, ou melhor, só existem para um grupo reduzindo de pessoas. É não julgar o macro pelo micro, sabe.

Escrevo isso aqui porque tive impressão em vários momentos que ela parece levar a sério idéias viralizadas na mídia, mas que estão muito a parte da população na vida real.

Infelizmente não gostei de Pós-F. Mais pra frente pretendo ler outra obra de Fernanda Young, quem sabe dou mais sorte.

Para mais informações sobre esta autora, visite sua página no Wikipédia.
Para comprar livros desta autora, visite Estante Virtual.

Patricia
escrito por
Patricia