O que significa fracassar como escritor… Ray Bradbury

Ray Bradbury (1920-2012) foi um escritor americano que escreveu em diversos gêneros, entre eles horror, ficção científica, fantasia e mistério. Entre seus muitos livros estão As Crônicas Marcianas, Licor de Dente-De-Leão e o famoso Fahrenheit 451.

O que significa fracassar como escritor... Ray Bradbury

Na data da sua morte o jornal New York Times disse que Bradbury “foi o escritor que mais ajudou a trazer a ficção científica para o mainstream literário.”

Abaixo ele diz sobre o que acha do fracasso:

Se você escreve cem contos e eles são todos ruins, isso não quer dizer que você falhou. Você falha quando pára de escrever. Eu escrevi por volta de dois mill contos; publiquei por volta de 300 e sinto como se ainda estivesse aprendendo. Qualquer pessoa que continue trabalhando não é um fracasso. Ele talvez não seja um grande escritor, mas se ele aplicar as antiquadas virtudes de trabalho duro e contínuo, ele vai eventualmente construir uma carreira para si mesmo como escritor.

 

Ray Bradbury, Março de 1967

Para mais informações sobre este escritor, visite o site oficial.
Para comprar livros deste autor, visite Amazon ou Livraria Cultura.

Como eu escrevo: Clive Barker

Clive Barker é um escritor, cineasta, roteirista e dramaturgo inglês. Barker ficou conhecido nos anos 80 por sua série de contos, os Livros de Sangue, que o consagrou como escritor de horror. Sua ficção já foi adaptada em filmes, sendo os mais conhecidos a série Hellraiser e Candyman.

Como eu escrevo: Clive Barker

Nove de seus dezoito livros já foram publicados no Brasil.

Weaveworld (A Trama da Maldade), o livro que ele cita abaixo, é um romance de fantasia sobre um mundo mágico que está escondido em um tapete, tanto para protegê-lo de humanos curiosos quanto de inimigos sobrenaturais hostis.

Em relação ao personagem, meu sentimento é o seguinte: faça com que o leitor aceite algo, uma esquisitice, e depois o resto deve seguir realisticamente. Eu tento não mentir sobre psicologia. Eu não acho que sou brega na minha escrita, eu não acho que sou excessivamente sentimental. Eu tento ser emocionalmente honesto numa estrutura sinuosa.

Então, em Weaveworld, a coisa que é estranha é o fato de que existe um mundo de magia escondido no tapete. Uma vez que eu estabeleci este mundo mágico, a resposta humana a ele por parte dos personagens deve ser emocionalmente verdadeira. Depois disso, tenho que ser o mais honesto possível sobre os processos que levam esses personagens a esse lugar, que os envolvem nessa história. Porque, como escritor de ficção, a última coisa que você quer ser é um mentiroso.

Clive Barker, Março de 1991

Para mais informações sobre este escritor, visite The Official Clive Barker Website.

Para comprar livros deste autor, visite Amazon ou Livraria Cultura.

10 dicas para escritores de J.K. Rowling

Como autora de uma das séries de livros mais conhecida no mundo e com mais do 400 milhões de cópias vendidas, podemos concordar que J.K. Rowling sabe bem do que esta falando quanto o assunto é escrever.

10 dicas para escritores de J.K. Rowling

Apesar de ter brincado com o reporter que lhe perguntou sobre as regras que escritores devem seguir, ela citou uma frase de W. Somerset Maugham “Só existem 3 regras que devem ser seguidas para escrever um livro. Infelizmente, ninguém sabe quais são.” Mesmo assim, J.K. Rowling tem dicas valiosas em suas entrevistas e no seu Twitter oficial que podem ser de grande valia para aqueles que desejam se aventurar no universo da escrita.

1. Seja implacável ao proteger seus dias dedicados a escrita. (…) O engraçado é que embora escrever tenha sido meu trabalho por vários anos, ainda tenho que lutar para ter tempo para fazê-lo. Algumas pessoas parecem não entender que eu tenho que sentar em paz e escrever os livros, aparentemente acreditando que eles surgem do nada.

Continue reading

Como escrever um livro: Intro ao Enredo

Uma das coisas que pode complicar a cabeça do escritor iniciante (e muitas vezes do experiente também) é como organizar sua história em um enredo que faça sentido. O que acontecia comigo era ter muitas idéias e a medida que meu protagonista ia tomando forma eu via dezenas de caminhos para ele, e como é impossível ter um protagonista detetive, que é também um excelente chefe e pai de 4 filhos que pinta obras primas e luta contra um terrível vilão e seu vício em anfetaminas (do contrário como ele conseguiria fazer tudo isso?) parecer crível e engajar meu público, aprender mais sobre enredo me ajudou a colocar os pés no chão e conter a história que eu queria contar.

Como escrever um livro: Enredo

O livro que me ajudou foi os 20 Master Plots (20 Enredos Chefe, tradução livre, 1ª edição 1993) de Ronald B. Tobias. Neste livro ele explica os 20 enredos que servem como fundação para milhares de obras literárias, cinematográficas e teatrais. Uns dizem que o número de enredos não pode ser contado, já Rudyard Kipling disse que existem 69. Carlos Gozzi disse que eram 36 e Aristóteles disse que só existem 2 enredos: os enredos de ação e os enredos mentais.

A cada capítulo Tobias analisa um dos 20 enredos e como foi usado em obras famosas, dando dicas de como usar o mesmo esqueleto de forma a melhorar a nossa obra. Infelizmente não achei o livro em português, mas para quem sabe inglês eu recomendo a compra. Abaixo eu resumi os pontos que mais me ajudaram na minha jornada como escritora.

Segundo Tobias, todo bom enredo tem 8 denominadores comuns.

1. A tensão deve ser o combustível

Um protagonista que deseja algo e consegue não é interessante. Ele precisa de obstáculos e explicações do motivo destes obstáculos.

2. A tensão é criada através da oposição

Existe diferença entre tensão curta e tensão prolongada. Tensão curta é um rapaz que pede uma garota em casamento e ela diz não. Tensão prolongada é um rapaz que tem um vicio em drogas e a garota não quer casar com ele por causa disso, então ele precisa lutar com seus problemas (por exemplo, por que ele usa drogas? o que o levou a isso?) e se livrar do vício para conseguir ficar com a garota.
Continue reading

10 dicas para escritores, de Zadie Smith

Zadie Smith é um novelista britânica cujo livro de estréia Dentes Brancos (2000) virou sucesso imediato, entrando para a lista de best-sellers e ganhando vários prêmios. O livro foi inclusive adaptado para a TV em 2002, exibido no Channel 4 britânico.

10 dicas para escritores, de Zadie Smith

Em entrevistas, Smith chegou a declarar que o sucesso do seu 1º livro lhe causou um “bloqueio de escritor”, uma terrível condição que atinge escritores, deixando-os com dificuldade de escrever e/ou conceber idéias novas que possam colocar no papel.

Na lista abaixo, Zadie Smith nos oferece 10 dicas para escritores, e de como podemos seguir nesta não tão simples tarefa que é escrever.

1. Quando ainda criança, certifique-se de ler muitos livros. Gaste mais tempo fazendo isso do que qualquer outra coisa.

2. Quando já for adulto, tente ler seu próprio trabalho como se fosse um estranho, ou melhor, como um inimigo faria.

Continue reading

Scroll to top