The Library Book, de Susan Orlean (resenha)

The Library Book, de Susan Orlean (resenha)

Terminei de ler o livro The Library Book, de Susan Orlean, e precisei de um tempinho para escrever a resenha. O livro é sobre o incêndio que assolou a biblioteca central de Los Angeles em 1986. Como sabia muito pouco sobre o ocorrido, e como o livro foi muito recomendado, resolvi ler.

The Library Book, de Susan Orlean (resenha)

Mas o livro não é só sobre o incêndio, é a história da biblioteca central, seu funcionamento, seus funcionários através dos anos desde a sua fundação, seus departamentos, etc. Algumas partes foram interessantes, outras nem tanto, mas o problema é como a informação foi distribuida pelo livro. Eu não gostei dos pulos de um tópico ao outro.

É bem óbvio que a autora fez um imenso research para o livro, mas a maneira que toda informação foi apresentada me pareceu desconectada e muita coisa, francamente, poderia ter ficado de fora. A apresentação dos fatos não é mais interessante do que um longo artigo do wikipedia, para você ter uma idéia. Sobre o incêndio em si, e toda trama ao redor disto, deixou muito a desejar…

Uma das partes que me deixou perplexa foi quando Susan Orlean decidi queimar um livro para saber como se sentiria. Escolheu o Fahrenheit 451 e queimou no quintal de casa sobre uma folha de biscoitos. Como antiga moradora de Los Angeles que sou, a idéia de uma pessoa queimar um livro, e em Los Angeles, me pareceu absurda! Para quem não sabe, em Los Angeles os incêndios ocorrem com uma freqüência alarmante e geralmente são devastadores, logo o que leva uma pessoa a fazer uma coisa tão tola? E pior, escrever sobre e o editor deixar passar? Ahh não…

Minha parte favorita do livro foi quando a autora falou sobre como ia a biblioteca com a mãe no seus tempos de criança e todas emoções que isso lhe trazia, e isso me tocou, pois comecei a frequentar bibliotecas muito jovem também, logo me identifiquei.

Enfim. É um livro sobre livros, sobre bibliotecas, sobre pessoas que amam livros, mas mesmo assim não elucidou a paixão que eu tenho por ambos.

O livro não é terrível, mas com certeza deixa muito a desejar e eu não recomendo, infelizmente.

ps.: Um detalhe que fiquei sabendo é que foi a autora que fez a voz (leu) para seu audio book, e muita gente detestou com paixão dizendo o quanto a voz dela é monótona. No livro ela descreve como conheceu um rapaz sem teto, frequentador da biblioteca, dono de uma voz maravilhosa, ela inclusive pede para ele gravar um mini-audio que ela envia para pessoas que fazem voice acting. Como perder este gancho e não contratar o rapaz para ler o livro?

Para comprar livros deste autor, visite Amazon ou Livraria Cultura.

Deixe sua opinião